quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Querido desamor...

Inúmeras vezes me perguntou por que nunca implorei você. Não sabe se dá coices ou pede para ser meu amigo. Tem uma forte tendência a esnobar para se auto-afirmar, como se alguém estivesse realmente correndo atrás de você. Talvez para limpar a sua bunda. Admito que estou espantada por vê-lo nesta foto de cueca, e não usando uma fralda.
Dizem mesmo que quem bate, esquece.
O que esperar de um sujeito que sequer se interessa em ganhar o próprio dinheiro? Ostenta o cargo dos pais, enche a boca para dizer que as mulheres caem aos seus pés pelo sexo e pelos seus bens. Sinceramente, não vi nada demais. Ambos dependem inteiramente de outra pessoa.
Tem sempre uma exigência para fazer, como se o mundo existisse para lhe servir. Sinceramente? Boa noite, Cinderela.
O meu vidrinho de perfume que está no seu quarto pode ser doado a qualquer mulher. Não me importo e até agradeço que espalhe um pouco de elegância para as menos favorecidas. Inclusive, permito que o utilize para disfarçar seu odor de leite.
Também não gosto de ser exibida como um troféu e sofrer cobranças como quem deve a um cartão de crédito.
Suas opiniões são tão coerentes quanto um menu de restaurante chinês. Agradeça pela minha generosidade em considerar que você tenha alguma opinião. Não me considero um gênio, mas tenho certeza de que o seu nível intelectual não serve sequer de tapete ao meu. Depende de mim para avaliar seus textos, não matar seus leitores de tédio e desconhece as coisas mais triviais, como uma torta holandesa. Vale a pena reconhecer que você estava certo quando se questionava "o que uma mulher como você quer comigo?". Diversão. Até hoje me divirto às suas custas.
Previsível como sempre foi, posso adiantar que dirá que estou estressada. Não, não é o caso. Estou incomodada com as suas aparições no meu celular, tempos após o fim.
Fazendo uma breve análise, posso concluir que me envolver emocionalmente com você me isenta de fazer caridade no natal. Sua progenitora é um capítulo à parte e me recuso a dissertar a respeito. Quem sabe se um dia eu fechar um contrato com uma grande indústria de gêneros sanitários. Mandarei imprimir as qualidades dela em cada rolo de papel higiênico. Vou encerrar por aqui sabendo que não sou Jack Nicholson, mas que posso dizer com toda convicção: VOCÊ NÃO PODE SUPORTAR A VERDADE!
Mas você pediu, e eu amarro o burro à vontade do dono.

Beijos com muito carinho,

ps: Nem penso em processo. Você tem nome? Rosto? Minha liberdade de expressão gritando dentro de um saco de papel. Sinceramente, você me parece obra da minha imaginação.

4 comentários:

Zélio Marulo Jr. disse...

Caramba, se isto fosse pra mim certamente estaria com a cabeça embaixo da areia agora, procurando algo que não perdi.

Muito bom, Grande Abraço.
INOPORTUNO

www.bloginoportuno.blogspot.com

Bons Ventos!!

Crii disse...

sério, sou tua fã! haushaushia
iiiih muita gente merecia ouvir uma verdade dessas...
isso sim que é ter classe para detonar uma pessoa, haha.

Lulis Paz disse...

Gostei de verdade do teu texto, e da mensagem final.

to te seguindo, segue de volta e comenta?

www.luliskd.blogspot.com

Ariane Galindo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.